Ananda Festival uma aposta ganha

Nem o tempo instável retirou força a uma aposta ganha pela organização do Ananda Festival of Bliss 2018. Durante quatros dias gente de todo o mundo fez deste festival o encontro que encheu as almas e aqueceu os corações dos festivaleiros e na geografia dos afectos fez a diferença.

O esforço e dedicação (até empatia) da organização do festival  merece inquestionavelmente que em anos vindouros este seu sonho seja consolidado, pois este  festival tem tudo para ser  um expoente da região e ser um evento diferenciador que congregue os povos para uma são convivência, para além de catalisar o turismo sustentável para este Interior profundo, mas que tem também oferta de qualidade como é indubitavelmente o Ananda Festival of Bliss que na segunda edição, foi seguramente,  uma aposta ganha.

A oferta foi diversificada. Teve de tudo e o conceito de ser um festival para as famílias materializou-se, assim como a promessa de dias mágicos, alavancados por um desafio a uma mudança de estilo de vida, no Bliss o dia começava bem cedo com mantras, meditação e yoga. Durante o dia os participantes ficavam imersos na natureza e nas mais variadas atividades, desde workshops, a palestras e concertos. A comida era vegana e as refeições momentos de partilha., sendo certo que, este foi um evento bonito e cheio de boas energias.

Sem querermos destacar nenhum momento musical, mas importa referir a participação de grupos locais como Tok Avakalhar e das Adufeiras da Casa do Povo do Paul, contudo, o “óscar”, comungando aliás, a opinião dos organizadores, vai para aquele absolutamente fabuloso concerto da Banda Filarmónica do Paul, que pôs o público a cantar de pé com os músicos o medley do Xutos e Pontapés e a transporta-lo para o ambiente dos grandes festivais de verão que ocorrem no nosso país.

Paz, beleza e meditação

A festa da multiculturalidade era aqui e o tempo de vez em quando ia pregando a sua partida, mas até isso os responsáveis aceitaram com naturalidade e quando andámos pelo espaço do Ananda Festival of Bliss 2018 acompanhados por elementos da organização, sentimo-nos imbuídos desta paz interior que este local idílico potencia e percebemos que a convivência entre os povos do mundo é sempre possível em qualquer lugar do mundo, tal com acontece neste festival diferente que se afirma livre de álcool e drogas, sendo certo que, depois de Portugal, a Itália foi o segundo pais mais representado, mas de outros pontos do mundo chegaram os festivaleiros nomeadamente: França, Inglaterra, Dinamarca, Nova Zelândia, Alemanha, Estados Unidos da América, Filipinas, Japão, entre outros.

Na área geográfica do festival, sempre com a beleza da ribeira do Paul em fundo, era possível visitar a área das crianças, atravessar a ribeira numa ponte artesanal, onde o engenho e arte andaram de mãos dadas, o palco dos Moinhos Velhos, a Tipi das Terapias, o mercado de artesanato, Yoga Dome, a zona de campismo   e o palco principal que tinha uma construção galáctica e um pássaro enorme de asas abertas, uma obra de arte em madeira da autoria de elementos da organização.

Foi em este deambular pelo espaço do festival que fomos ouvindo algumas pessoas que marcaram presença neste acontecimento ímpar da região e que nos relataram experiências/vivências que segundo elas encheu-lhes a alma e aqueceu-lhes o coração.

O que eles disseram

Natural de Trancoso a viver em Almada, Jorge Grilo, admite que estes dias do festival o ajudam a ser melhor pessoa, “ esta escolha de vir até a este festival tem a ver com o modo de vida que tenho e depois como era anunciado que não tinha álcool e drogas e isso fascinou-me. Estive aqui no ano passado e este ano melhoraram as condições e a oferta. Este evento para mim ajuda-me a conseguir uma tranquilidade que procuro durante o ano e ajuda-me a ser uma melhor pessoa”

Também da cidade na outra margem do Tejo chegou a família almadense que a um pouco a custo lá se prontificou a dar-nos o seu testemunho, “ este é o ambiente prefeito para as famílias e por isso aqui estou eu com a minha mulher e a minhas filhas. Este é um festival com boas referências para as crianças, para além, de sentirmos que estão seguras; adiantou Carlos Ramos, enquanto a esposa Ana corroborava o seu depoimento e acrescentava, “ temos uma filha com quatro anos e já o ano passado adorou acampar e já há muito que perguntava quando vínhamos para este festival”, entretanto Carlos Ramos quis ainda vincar, “ o sítio é paradisíaco que toda a gente deveria conhecer e depois há amizades que se criam e como este festival é muito rico em termos musicais, culturais e ao nível espiritual para além das práticas saudáveis até com a alimentação, partimos sempre com o desejo de voltar”

Para João Paulo, de Lisboa, a experiência não é nova porque esteve na primeira e agora na segunda edição do Ananda Festival, “ a natureza é muito atraente e de grande beleza e o grupo da Ananda que conheci no Andanças conseguiu cativar-me. Este ano vim mais cedo para ajudar a construir estas magníficas infraestruturas e sinto-me bem aqui neste ambiente. A dança e a parte espiritual muito forte destacam-se e quando for para Lisboa vou repleto de alegria e com o coração cheio. Todas as pessoas deveriam experimentar esta sensação de paz e partilha.

Com o rosto a transparecer o que lhe ia na alma e com aquela empatia que a carateriza, Dalila Lucas, uma das responsáveis da organização do Ananda Festival fez sobressair, “ estamos felizes porque tivemos uma boa adesão apesar da chuva por isso superámos as nossas expectativas, pese embora, gostarmos de ter ainda mais pessoas. A nossa felicidade tem também a ver com a sensação de estarmos a aproximarmos-nos da comunidade local que gradualmente está a interagir connosco. Foi muito trabalho durante dois meses e contamos com ajuda de muitas pessoas, mas é recompensador ouvirmos as pessoas a dizer que estão surpreendidas com o crescimento do festival e com a sua qualidade. Esta é uma aposta para continuar, até porque esta segunda edição teve um balanço francamente positivo” rematou Dalila Lucas, que em conjunto com os colegas organizadores já tornaram público o seu agradecimento a todos os que permitiram que este festival acontecesse, prometendo para o ano haver mais e com novidades.


Partilhar