Festival atrai mais gente e aumenta consumo de trutas

A data é disputada por muitas festas do concelho da Covilhã, ainda assim, o Festival da Truta que decorreu no ultimo fim de semana de julho, atraiu mais gente e aumentou o consumo das trutas. A organização diz-se satisfeita, porque tinha assumido este objetivo de crescimento da festa da vila e do associativismo.    

Apesar da noite não estar agradável nem ser muito visível o maior eclipse lunar do século, a 5ª edição do Festival da Truta arrancou com algum frio, que não foi motivo para afastar muita gente do Largo da Praça.

Logo no primeiro dia foram muitos os que começaram a degustar os pratos com truta e divertir-se com animação preparada para o efeito.

Recorde-se que, a Junta de Freguesia do Paul (JFP) em parceria com o movimento associativo da vila e partilhando de um objetivo central que assenta no desenvolvimento sustentado da freguesia, com a promoção de diversas atividades entre as quais está este Festival da Truta, tem vindo a fazer uma aposta forte neste evento que este ano contou  com algumas novidades, nomeadamente: barraquinha de Merchandising do Festival onde se podia encontrar, mel, vinho, azeite, queijo, entre outros produtos personalizados, a venda das pulseiras Tru Tás Solidário e a Prova de Perícia da Vila do Paul.

Por outro lado, trata-se de uma iniciativa que desde sempre assume projetar um dos ícones dos recursos naturais da freguesia. As famosas trutas da Ribeira do Paul. Para os apreciadores puderam escolher entre a sopa de truta, a truta com cogumelos selvagens e bacon, truta grelhada com molho de limão e os filetes de truta com arroz de feijão.

Ladeado pelos dirigentes das coletividades envolvidas, Gabriel Gouveia, na cerimónia de abertura, referiu, “esta é a quinta edição e cada vez mais é um prazer trabalharmos todos em prol do Paul, no fundo é o que acontece neste Festival da Truta, quando a JFP e as associações da vila dão as mãos e realizam este momento tão especial da vila por isso espero que todos se divirtam e aproveitem”.

Animação para miúdos e graúdos

A animação musical no dia do arranque do festival esteve a cargo do Grupo Danças e Cantares do Paul e do grupo "Luís e Ilda".

As crianças no segundo dia do Festival da Truta 2018, puderem dar largas à sua criatividade num atelier que a Casa do Povo do Paul dinamizou durante a tarde. Foi a descoberta de jogos, brincadeiras, pintura, artes “piscatórias”, entre outras atividades para este público mais jovem.

Ao cair da noite a equipa da cozinha e dos assadores entrou em alta rotação para dar resposta aos apreciadores da truta que chegaram a formar filas compactas enquanto o homem da concertina ia amenizando a espera.

O vento não faltou à chamada neste segundo dia e uma temperatura pouco condizente com uma verdadeira noite quente de verão era o que o tempo oferecia, mas o Largo da Praça e as ruas limítrofes estavam cheias e a festa aconteceu com o concerto da Banda Filarmónica do Paul que voltou a empolgar os presentes que depois mais tarde divertiram-se ao som do conjunto ADN.

Entretanto, a barraca do merchandising era já uma aposta ganha, porque bem cedo foi preciso repor stocks de produtos personalizados com marca Paul.

No terceiro e último dia do Festival da Truta, o edil covilhanense Vítor Pereira, não faltou ao encontro com a gastronomia do evento centrada nesta espécie de peixe que gosta de águas cristalinas, frescas, puras e bem oxigenadas.

Os pratos disponíveis na ementa saíram bem e a organização apontava para um acréscimo de pratos servidos que atingiu mais de meio milhar. Também mais público marcou presença nesta quinta edição do festival.

Num dia mais calmo para a equipa da cozinha, a truta grelhada continuava a ser das umas mais procuradas, enquanto no Largo da Praça o Grupo de Convívio e Etnográfico do Centro Paroquial da Nossa Senhora das Dores e o conjunto “Emídio”, tomaram, conta da animação desta festa da vila e do associativismo local, que segundo a organização a cargo da Junta de Freguesia do Paul e das associações da terra teve um balanço positivo.

Boa resposta da cozinha

Carlos Sobreiro, este ano foi quem teve a responsabilidade da cozinha, “a qualidade manteve-se, mas é preciso dizer que já vinha de trás pela mão do Chefe Rui Pereira.  O serviço também melhorou porque a equipa está rotinada e as indicações que nos chegam do publico são as melhores. Estes pratos constituem uma oferta diversificada que nem sempre está disponível nos restaurantes, assim sendo, mais um ano e mais uma edição com sucesso”, garantiu.

Outro Carlos de apelido Ramos, em representação das associações alinhava na mesma bitola, “estamos a superar as expectativas apesar do vento que se tem feito sentir. De facto, veio mais gente e conseguimos vender mais pratos e acima de tudo a qualidade dos partos melhorou, bem como, a qualidade do serviço. Esta cooperação entre as associações da terra é sempre de realçar e só por si já é uma mais-valia deste festival, sublinhou este dirigente associativo.

Presença obrigatória e que já não se dispensa é do presidente do Município da Covilhã, “esta é uma iniciativa congregadora e que tem o dedo do presidente da JFP, que através deste festival consegue reunir as associações da terra, que se unem com empenho em prol da promoção da sua freguesia e das emblemáticas trutas. Aliás, era bom que se conseguisse reativar o Viveiro de Trutas para haver nesta terra produção própria, sendo que, da parte do Município da Covilhã e da própria JFP tudo faremos para incentivar o reaparecimento desta exploração privada que pode inclusivamente criar postos de trabalho, fez sobressair Vítor Pereira, que ainda  sublinhou, “não poso deixar de referir com orgulho e satisfação, por um lado a aposta nos produtos com marca Paul que estão disponíveis neste recinto e louvável iniciativa solidária das pulseiras para ajudar quem precisa”. Enfatizou o edil covilhanense.

O presidente da JFP não escondia nem o cansaço nem a satisfação, “tudo está a decorrer da melhor maneira. Foram três noites agradáveis com muita gente a jantar e a participar neste Festival da Truta que tem um saldo francamente positivo. Este esforço vale a pena, porque para além de unirmos o movimento associativo ainda conseguimos melhorar alguma oferta em relação a edições anteriores. Este ano as novidades foram: os produtos com “marca” do Paul, a venda das pulseiras e a Prova de Perícia que corresponderam às expetativas”.  Rematou Gabriel Gouveia


Partilhar