Faltou a Truta no Dia Nacional da Gastronomia

  É cedo para a Confraria da Truta do Paul participar com as suas congéneres em certames da dimensão do Dia Nacional da Gastronomia, até porque, oficialmente, os seus confrades ainda não o são de pleno direito, tendo em conta que, falta   ainda a sua entronização que vai acontecer aquando da realização do 1º Capitulo agendado para ultimo trimestre do ano em curso.

Mas ao passarmos os olhos pela   oferta gastronómica disponível o Dia Nacional da Gastronomia que no passado fim de semana decorreu em Viseu e que contou também com a participação de várias dezenas de Confrarias Gastronómicas de Portugal, não vimos nenhuma iguaria onde a truta fosse utilizada. 

Ora, sem por em causa a diversidade e riqueza dos pratos gastronómicos deste certame, parece que a gastronomia local assente nas Trutas do Paul, só tem a ganhar se em edições futuras marcar presença neste evento nacional através da recente confraria criada   na vila.

Importara referir  que,  a quarta edição do “Dia Nacional da Gastronomia”  que teve lugar na terra de Viriato, depois de  já se ter realizado em Lisboa, Vila Nova de Gaia e Aveiro, mobilizou  muitas  confrarias  que  promoveram mostras das iguarias nacionais, tertúlias em torno da gastronomia e  deram  a conhecer muitas das tradicionais receitas regionais de Portugal, assim sendo,  este  acontecimento será  uma montra de forte  impacto  para  a divulgação  da  Truta  do Paul, que pode catapultar  o turismo local,  colocar no mapa gastronómico nacional  esta freguesia  e simultaneamente,  permite à confraria da vila  cumprir  o seu desígnio  que passa por  promover e divulgar a truta como elemento gastronómico característico da vila do Paul, estando ainda em sintonia  com  identidade das confrarias que procuram enriquecer as comunidades locais com o seu trabalho de dinamização, estando hoje reconhecida  a importância das confrarias  no papel que desempenham nos contextos locais valorizando a  gastronomia enquanto elemento cultural, económico e histórico.

Objetivamente as confrarias devem ser dinâmicas e ativas, compreendendo a necessidade da agregação de forma a combater as dificuldades atuais contribuindo, simultaneamente, para uma evolução positiva da nossa economia e cultura, pelo que, a responsabilidade da Confraria da Truta do Paul, a mais recente associação paulense é enorme, mas estamos em crer que estará à altura da mesma.

 


Partilhar